Entenda como funcionam fundos de investimento

Entenda como funcionam fundos de investimento

Você ainda não entende muito bem como funcionam os fundos de investimentos, mas sabe que precisa começar a investir? Essa é uma dúvida da maioria dos investidores iniciantes, por isso é muito importante que você estude bem o tipo de investimento para não cair em ciladas.

O mercado de investimentos é muito complexo. Por isso, antes de realizar qualquer aplicação, é preciso que você leia o prospecto e analise o histórico de rendimentos do fundo.

Para ajudá-lo nessa pesquisa, separamos as principais dúvidas que surgem antes de entregar o dinheiro ao gestor do fundo. Confira!

Quem são os gestores do fundo?

Os gestores do fundo são os profissionais que trabalham exclusivamente no controle dos riscos da sua carteira de investimentos, buscando garantir a melhor rentabilidade possível da aplicação.

A escolha do gestor é um dos pontos mais importantes na hora de aplicar seu dinheiro, pois é ele quem vai avaliar o cenário, as opções existentes, os acontecimentos políticos e econômicos para montar a sua carteira. Ele tem ainda autonomia para tomar decisões a respeito do dinheiro investido, mas sempre respeitando o regulamento.

Grosso modo, o gestor do fundo será o seu “braço direito” nos investimentos. Ele será responsável por controlar os riscos e a rentabilidade. Por isso, é essencial que você escolha um profissional competente, especializado e que conheça o mercado financeiro para evitar preocupações.

Quais são os ativos que o fundo investe?

Existem várias estratégias para os fundos de investimentos, que vão desde a mais conservadora até a mais arriscada. Por isso, antes de escolher qualquer aplicação, é preciso analisar o seu perfil de investidor e verificar quais riscos que você está disposto a correr.

Existem quatro classes de ativos dos fundos de investimentos:

  • renda fixa: o investidor aplica o dinheiro em títulos de dívidas públicas ou de bancos privados. É possível escolher um fundo de renda fixa que segue as variações da Selic ou IPCA;
  • fundos de ações: nesse fundo é preciso investir pelo menos 67% do patrimônio em renda variável, como as ações;
  • fundos multimercados: esses fundos têm uma boa flexibilidade, pois atuam em diferentes ativos e permitem que várias estratégias sejam criadas conforme as mudanças do cenário político e econômico;
  • fundos cambiais: nesse fundo é preciso que 80% dos seus ativos sejam aplicados na variação dos preços da moeda, como euro ou dólar.

Qual é a rentabilidade do fundo?

Existe uma frase muito comum no mundo dos investimentos que diz: “rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura”. É importante que você saiba que a rentabilidade de um fundo varia de acordo com a estratégia adotada pelo gestor. Portanto, não é possível prever uma rentabilidade exata, mas você pode analisar o desempenho do fundo nos últimos anos.

Porém, lembre-se de que a rentabilidade será definida de acordo com a estratégia adotada pelo gestor do fundo, por isso se torna muito difícil prever qual será o seu retorno.

Qual é a liquidez?

A primeira coisa que você precisa entender sobre investir em fundos é que eles não funcionam como as poupanças. Isso significa que não é possível retirar o dinheiro no momento que bem entender. E nos fundos de investimentos você terá um prazo determinado para retorno. Tudo vai depender da estratégia da carteira e o tipo de ativo que você está investindo.

Para saber qual é a sua liquidez, é preciso analisar a lâmina de investimento. Nela existe um campo denominado D+. Se, por exemplo, na lâmina estiver D+180, significa que levará 6 meses (180 dias) para retirar seu dinheiro a partir do momento que solicitou o resgate.

Outro ponto que merece atenção é que, se você solicitar o resgate antes do prazo estipulado pelo fundo, serão cobradas taxas que podem comprometer a rentabilidade do investimento.

Por isso, é importante elaborar um planejamento financeiro para evitar esse tipo de situação.

Quais são os riscos?

Todo investimento tem seu risco. No caso dos fundos de investimentos, os principais são:

  • risco de crédito: a instituição emissora não tem dinheiro suficiente para arcar com todos os seus compromissos, ou seja, ela pode não conseguir pagar a sua rentabilidade e nem devolver o dinheiro investido;
  • risco de mercado: esse tipo de risco refere-se à volatilidade do mercado, como o mau desempenho das ações na bolsa, crise política e econômica, variações de índices e indicadores etc.;
  • risco de liquidez: é o risco que você corre de não conseguir resgatar a sua aplicação.

Por conta dos principais riscos existentes no mercado financeiro, é necessário que haja a diversificação da sua carteira. No mundo dos investimentos não é recomendado “colocar todos os ovos na mesma cesta”.

Quais são os custos?

Ao realizar seus investimentos é preciso estar ciente que algumas taxas serão cobradas:

  • taxa de administração: a quantia é utilizada para remunerar a equipe que auxilia na gestão do fundo. O valor cobrado é uma porcentagem sobre os seus rendimentos e os valores investidos;
  • taxa de performance: esse valor será cobrado quando o desempenho do seu fundo superar o benchmark. Ele é destinado à equipe da gestão do fundo como uma gratificação pelo bom desempenho;
  • outras taxas: são os valores cobrados no momento da aplicação e do resgate.

Quais impostos precisam ser pagos?

Quando você aplica seu dinheiro em fundos de investimentos, é preciso pagar impostos referentes ao IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), cobrado somente quando o resgate é efetuado em menos de 30 dias.

No caso do IR (Imposto de Renda) os valores variam de acordo com o tipo de investimento. Na maioria dos casos, é interessante que o dinheiro permaneça aplicado pelo maior tempo possível para pagar menos impostos.

Também existe o “come-cotas”, mecanismo de tributação no qual o IR é pago somente no momento do resgate.

Realizar investimentos é algo que precisa ser feito com muita cautela. Antes de qualquer decisão, é preciso contratar um gestor com experiência e de confiança para garantir que os recursos aplicados proporcionem a melhor rentabilidade possível.

Por isso, antes de investir, estude bem os fundos, para que você possa ter um futuro financeiro tranquilo e realizar seus sonhos, sem se preocupar com a falta de dinheiro.

Agora que você já sabe como funcionam fundos de investimento, aproveite para conferir quais são os principais erros que os investidores iniciantes cometem e como evitá-los. Boa leitura!

  • Publicado

    03 de janeiro de 2018

  • Categoria

    Educação Financeira

  • Tags Relacionadas

    Investimentos