Seguro de vida individual ou coletivo: entenda as diferenças

Seguro de vida individual ou coletivo: entenda as diferenças

Por mais que planejemos nosso orçamento, imprevistos sempre acontecem. É um encanamento que precisa de manutenção, um arranhão no carro que você acabou de comprar, um eletrodoméstico que precisa de reparo e por aí vai.

Mas, pense bem: se cuidamos tanto de nossos bens materiais, por que não proteger nossa família ou quem depende financeiramente de nós?

É aí que entra o seguro de vida, servindo para dar maior segurança não só a nós mesmos como também às pessoas que amamos.

E tem mais: sabia que existe um plano diferenciado que traz facilidades extras para empresas e colaboradores que desejam tomar essa iniciativa?

Estamos falando do seguro de vida coletivo. Quer entender a diferença entre as modalidades individual e coletiva e aproveitar para aprender a fazer a melhor escolha para suas necessidades? Acompanhe!

Seguro de vida individual ou coletivo?

O que é seguro de vida?

seguro de vida individual ou coletivo

O seguro de vida é uma forma de se proteger financeiramente contra inúmeros imprevistos que podem acontecer ao longo do caminho.

Ele ajuda a garantir as condições necessárias para arcar com despesas das mais diversas, podendo auxiliar também no sustento dos dependentes por um período, até o restabelecimento das finanças, ou prover renda se a pessoa ficar impossibilitada de gerá-la por certo tempo ou mesmo pela vida inteira.

Mas atenção: além das inúmeras opções de benefícios que podem ser adquiridos e adaptados às necessidades de cada um, existem também diferenças nos prazos de vigência dos planos, dependendo do tipo de apólice. É fundamental ficar de olho nesses detalhes na hora da contratação.

O que difere o seguro de vida coletivo do individual?

O seguro de vida individual envolve duas partes: a seguradora e o segurado. Uma vez contratado, o cancelamento tem que ser negociado previamente com o cliente.

Se a escolha for pela cobertura vitalícia, por exemplo, significa que a validade da proteção financeira é para a vida toda. Assim, apenas o segurado pode cancelar o contrato, desde que cumpridas as regras previstas.

Já uma apólice de vida em grupo conta com a figura do estipulante, que é o representante dos segurados. É ele quem assina contrato com a seguradora e inclui quantas pessoas quiser.

Aqui, ao contrário do seguro de vida individual, a apólice é renovada de tempos em tempos, momentos em que tanto a seguradora quanto o estipulante têm o direito de não renovar o contrato.

A verdade é que ambas as soluções têm sua utilidade e foram criadas para funções diferentes. Enquanto a apólice de seguro de vida individual, como o próprio nome já diz, é a melhor opção para quem quer proteger financeiramente a si ou a seus dependentes, a apólice de vida em grupo é melhor para empresas que desejam oferecer esse benefício a seus funcionários.

Mas por que as empresas precisam investir nesse benefício? Que vantagens elas ganham com isso? E seus colaboradores, como se beneficiam? Pois é o que veremos a partir de agora!

Quais as vantagens do seguro coletivo?

Como vimos rapidamente, o seguro coletivo se propõe a assegurar o bem-estar dos colaboradores de determinado negócio. Sendo um serviço orientado para um grupo, fornece um atendimento mais amplo e barato. Confira só!

materiais educativos

. Comodidade e custo mais acessível

Vamos começar falando sobre a principal vantagem dessa modalidade: o preço. Como se trata de uma única apólice para vários segurados, a instituição acaba fornecendo valores especiais, muito mais acessíveis.

Esse seguro pode ser pago pelos próprios funcionários ou associados. Nesse caso, o pagamento geralmente é descontado na folha, o que torna o procedimento muito simples e cômodo.

Mas esse valor também pode ser pago integralmente pela empresa ou de forma compartilhada com os funcionários. Aliás, são muitas as organizações que usam o seguro como estratégia para atrair talentos e melhorar o clima organizacional — como veremos.

. Atração e motivação dos colaboradores

Para realmente se destacar no seu nicho de atuação, é indispensável contar com profissionais de ponta. Aí é que costuma surgir o problema, já que muitas empresas têm dificuldade para atrair talentos para seu time.

E o diferencial negativo, nesse caso, pode estar justamente na falta de benefícios que o negócio oferece a seus funcionários.

Saiba: hoje em dia, o capital humano deseja mais que apenas bons salários. Os colaboradores procuram qualidade de vida e tranquilidade para trabalhar.

E o seguro de vida é um elemento que pode proporcionar esse clima organizacional positivo. É claro que, consequentemente, isso se reflete também na produtividade das equipes.

. Proteção e segurança para as famílias

O seguro de vida coletivo não é um benefício que se restringe somente aos profissionais em si, mas que também traz maior segurança para suas famílias. Assim, caso ocorra algum incidente que deixe o funcionário impossibilitado de cuidar de seus entes queridos, o seguro entra em cena, dando o suporte necessário.

Embora possa variar bastante, a cobertura por morte natural ou acidental é uma garantia básica. Existem, no entanto, algumas coberturas adicionais, tais como:

• invalidez permanente total ou parcial por acidente;
• invalidez funcional permanente total por doença;
• morte de cônjuge ou filhos;
• auxílio-alimentação;
• doença congênita de filhos;
• diária por incapacidade temporária acidental;
• despesas médicas, hospitalares e odontológicas.

Vale ressaltar ainda que, como os valores recebidos pelo seguro de vida não estão incluídos no inventário, os dependentes conseguem recebê-los imediatamente, livre de impostos e exatamente na hora em que mais precisam.

Os colaboradores e suas famílias recebem proteção financeira, portanto, quando estão mais vulneráveis.

. Desconto no Imposto de Renda

Os custos relacionados ao pagamento de seguro de vida coletivo são categorizados como despesas operacionais. Sendo assim, caso a empresa opte pelo Lucro Real como regime de tributação, os valores pagos pelo plano podem ser descontados integralmente no cálculo do Imposto de Renda para PJ.

Convencido das vantagens que o seguro de vida coletivo pode trazer para você e para seus colaboradores? Então continue de olho para conferir algumas dicas valiosas sobre como escolher um plano com tranquilidade!

Como escolher o melhor seguro coletivo?

seguro de vida individual ou coletivo

Anote aí para não correr o risco de esquecer: a escolha do seguro de vida não pode ser feita sem critérios. É importante tomar certos cuidados e avaliar alguns fatores que podem afetar a escolha do plano e da seguradora. Veja só!

. Defina o perfil do seu quadro de funcionários

O primeiro passo consiste em identificar o perfil dos colaboradores, colocando no papel informações como idade, sexo, região da residência e o que mais for relevante.

Esse registro servirá de base para as escolhas. É importante não deixar ninguém de fora, a não ser que profissionais se expressem contra. Afinal, quanto maior o número de funcionários no plano, menores serão as taxas e o valor pago à seguradora.

Tudo bem que o plano é coletivo, mas nem por isso se deve deixar de pensar nas necessidades individuais. Talvez seja interessante conversar com os colaboradores de cada equipe para averiguar que características do seguro de vida coletivo são consideradas interessantes por seu ponto de vista.

. Confira as coberturas incluídas no seguro

Essa é a hora de escolher o que o plano vai cobrir. Para isso, é importante entender as diferenças entre alguns conceitos, como:

• cobertura de morte: essa cobertura básica indeniza casos de falecimento por causas naturais ou acidentais;
• cobertura de morte por acidente: cobre casos de morte por acidentes devidamente especificados no contrato.

Como você viu, a cobertura por morte é muito ampla, enquanto o plano de morte por acidente é mais restritivo. Por isso, uma opção tende a ser mais cara que a outra.

De qualquer maneira, a lógica é simples: quanto maior for a cobertura, maiores serão os custos. Por outro lado, não adianta adotar um seguro de vida coletivo que não atenda às necessidades dos colaboradores e de suas famílias, não é verdade?

. Decida a forma de custeio

Como vimos rapidamente em outro tópico, existem três formas de custeio para o seguro:

• não contributário: a empresa (estipulante) arca com todos os custos de pagamento;
• parcialmente contributário: a empresa e os segurados dividem o custeio, em uma proporção combinada;
• totalmente contributário: os usuários são responsáveis pelo pagamento do seguro.

. Escolha a regra para o capital segurado

O capital segurado nada mais é que o valor a ser recebido pelo segurado no caso da ocorrência de algum sinistro. Obviamente, isso vai impactar no montante repassado anualmente à seguradora.

No caso do seguro de vida coletivo, pode ser criada uma regra para esse valor. Pode ser igual para todos os colaboradores, por exemplo, ou variar de acordo com o salário.

Se o critério de indenização for com capital global, a quantia paga ao colaborador será a divisão do capital global pelo número de funcionários existentes no mês do sinistro.

. Avalie a reputação da seguradora

O valor de uma seguradora não está necessariamente nos preços competitivos que ela apresenta, viu? É preciso verificar a confiabilidade da empresa no mercado, bem como sua capacidade de atender os segurados e seu grau de especialização no assunto. É preciso lembrar, afinal, que vidas estão em jogo.

. Fique de olho no prazo de vigência da apólice

O prazo de vigência da apólice do seguro de vida coletivo se inicia de 3 formas:

1. caso o prêmio tenha sido pago antecipadamente, a partir do momento em que a seguradora recebe a proposta, reservando à empresa o direito de analisar a contratação e recusá-la em até 15 dias;
2. sem pagamento antecipado, o prazo começa com a aceitação da proposta pela seguradora;
3. na data de admissão do funcionário.

Como já mencionamos, ao contrário do que acontece com o seguro de vida individual, a renovação da apólice dos planos coletivos precisa ser feita de tempos em tempos. Vale, então, ficar de olho.

. Observe o tempo de carência

A carência é o período após a assinatura do plano em que os segurados ou beneficiários ainda não têm direito à indenização caso ocorra algum sinistro, mesmo que o incidente esteja previsto no contrato e o pagamento esteja em dia.

Avalie se o prazo é coerente e aceitável, tendo em vista o perfil dos colaboradores e as necessidades de cada grupo. Na dúvida, busque a orientação de um consultor financeiro ou de um corretor de seguros!

Como bem aconselha Leonardo Lourenço, superintendente de Marketing da Mongeral Aegon, “antes de contratar, é essencial saber exatamente que necessidade você quer cobrir com o seguro de vida, para poder analisar tipos de coberturas, prazos e valores, tudo para não ter surpresas quando mais precisar. Na dúvida, buscar a orientação de um consultor financeiro ou de um corretor de seguros é importante”.

Assim, para aproveitar todos os benefícios que a proteção financeira de um seguro de vida pode proporcionar, é importante estar informado sobre as coberturas e, principalmente, sobre as condições e a vigência do plano para não ser pego de surpresa!

Quer saber mais sobre o assunto e tirar todas as suas dúvidas? Entre em contato conosco agora mesmo, via chat, telefone ou e-mail!

  • Publicado

    12 de julho de 2018

  • Categoria

    Educação Financeira

  • Tags Relacionadas

    Seguro de vida