Dicas de organização pessoal sem apelar para aplicativos

Dicas de organização pessoal sem apelar para aplicativos

Pessoas organizadas de verdade não nasceram pessoas organizadas. Elas cultivaram hábitos saudáveis que as fizeram organizadas. Ter a vida em ordem exige técnicas de organização pessoal. E, por sua vez, a organização pessoal pode ajudar a superar problemas ou tropeços financeiros, pois como alguém se organiza é reflexo (íntimo) de como controla seu dinheiro.

E vai muito além de se atrapalhar e ficar com pouco dinheiro: perder as contas, por exemplo, pode gerar multas por pagamentos atrasados; não acompanhar e nem ter noção de quanto dinheiro resta na conta bancária pode deixar tudo no vermelho e ativar o cheque especial – e, portanto, mais e mais taxas. Acabamos perdendo dinheiro.

Além de algumas técnicas, vamos sugerir como isso pode impactar sua vida financeira. E deixar um experimento para você testar, aceita? Então:

Anote as coisas

Você conhece alguém que tem boa memória e se lembra de todos os aniversários ou números de telefone? Lembrar-se não transforma ninguém no mestre supremo da organização. Anotar suas tarefas, sim, faz diferença e dobra sua produtividade.

Caneta e papel são as ferramentas básicas para não se esquecer de pequenas tarefas. Também vale usar um computador ou um smartphone. Escreva tudo: a lista de compras, os presentes de natal, o que quer para decorar a casa…

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Simples: dá pra saber quais e quantas contas vão chegar no final do mês. Cria-se um controle sobre o que fazer. Saber exatamente o que falta em casa evita gastos fora do previsto.

Como experimento, tente escrever os nomes das pessoas pouco depois de conhecê-las (quando não estiverem olhando). Evolua o conceito e, se nunca fez, passe a escrever a lista de compras à medida que der falta das coisas.

Crie agendas e prazos

Pessoas organizadas não desperdiçam tempo. Simplesmente sabem que organização e produtividade andam de mãos dadas. Elas fazem agendas para o dia-a-dia e para a semana, estipulam prazos e objetivos, e – mais importante – se mantêm fiéis à programação. Analogamente, ao ter uma vida emaranhada, não sobra tempo nem espaço para cumprir prazos e para atingir objetivos.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Simples: é possível, com um calendário ou anotações, saber quando as contas vão chegar. Há despesas fixas da casa e aquelas que acontecem por acaso – e, na ponta do lápis, é fácil prever o quanto será gasto com o próximo salário.

Experimento: O experimento desta vez é analisar sua lista de tarefas (ou fazer uma). Escreva as coisas que quer conquistar neste ano. Então escreva do que precisa para consegui-las. Dá pra tentar buscar?

Não procrastine

Quanto mais esperar para fazer algo, mais difícil será fazê-lo quando for hora. Caso queira uma vida menos estressante, organize-se o quanto antes. Ter as tarefas prontas antes do tempo aliviará o peso de ter tarefas pendentes.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Deixar algo para depois pode se transformar em ‘não foi feito quando deveria ter sido feito’. Atrasar uma conta resulta em cobranças adicionais. Começar uma reforma, por exemplo, mais tarde do que previsto com um orçamento defasado pode ter, como consequência, parar a obra pela metade. Serve para qualquer projeto. Comece agora.

Experimento: Pense em algo na sua vida que está pendente e que já deveria ter sido feito. Anote. Escreva do que precisa e o que você pode fazer. Se há condições para começar, vá e faça!

Todas as coisas merecem um lar!

É fácil perder-se se você não tem uma casa para viver. Deixar a sua vida organizada significa colocar as coisas em seus devidos lugares. Organização pessoal é preservar a ordem ao guardar tudo no seu espaço certo e dando rótulos a tais espaços.

Escolha lugares de fácil acesso para aquelas coisas que são usadas a todo instante e é proibido deixar esses cantinhos revirados. Seja criativo ao encontrar um lar para seus pertences. Além disso, NUNCA CRIE um espaço para “Coisas variadas” ou uma pasta “Organizar” no seu computador.

Aliás, as coisas não se organizam sozinhas; elas precisam ser reposicionadas continua e repetidamente.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Respeitar os prazos e processos citados em outras respostas depende de conseguir encontrar os objetos em questão. Contas a pagar serão pagas se você souber prontamente onde estão. O imposto de renda será declarado a tempo e sem dor de cabeça se todos os recibos estiverem em um único envelope. O mesmo serve para caderninhos com protocolos de atendimento e pasta com extratos bancários.

Experimento: Escolher um cantinho da casa que você precise reorganizar. Se há itens espalhados, agrupe-os. Ordene todos e encontre um ‘lar’ para os que forem semelhantes. Nomeie suas ‘casas’ e os coloque lá.

Tenha apenas coisas das quais precisa

Já sentiu que não tinha espaço para armazenar todos os pertences? Não é preciso ter uma casa maior, apenas desfaça-se de alguns.

Preserve apenas o que precisar e o que quiser de verdade. Ter menos coisas é aproveitar mais aquelas que se tem; é sentir-se melhor ao usar mais tudo que possui. E nada vai ficar juntando poeira à toa.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Há despesas que são praticamente obrigatórias: luz, água, impostos… Faça uma lista de tudo que é essencial pra você e gera despesas. Internet, telefone e TV podem entrar numa segunda lista de serviços possivelmente dispensáveis – talvez você prefira considerar o plano de dados mais, ou não usa o telefone fixo de forma alguma. Saiba bem quanto pesa no seu bolso tudo aquilo que você considera indispensável, mês a mês.

Experimento: Lembra da ideia de anotar tudo? Anote tudo que precisa e anote tudo que tem. Se a segunda lista ultrapassar muito a primeira, é hora de botar a organização pessoal em dia.

E… Saiba como se desfazer daquelas que não precisa

Faça o que puder para se livrar da bagagem extra. Menos coisas, menos entulho. Doe o que não for usar mais. Venda no Mercado Livre ou num grupo de compra e venda do Facebook. Faça uma viagem até um centro de reciclagem próximo (pode até mesmo ser de velhos eletrônicos). Ganhe uma graninha a mais com a roupa seminova no brechó. Mas encontre um lugar para se livrar do que não precisa mais.

Experimento: escolha um canto da casa para (des)empilhar. Olhe pelas prateleiras, gavetas e caixas. Coloque ao lado tudo que encontrar e não precisar mais. Empilhe o que – talvez –  possa ficar, para ser reavaliado depois, e outra pilha do que vai embora agora com certeza. Dê um jeito de botar pra fora essa remessa de imediato.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Acima, falamos porquê separar os serviços que considera essenciais. E como me livrar do que não preciso? Além das quinquilharias que podem ser vendidas ou doadas, há inúmeras coisas que contratamos e vêm com aditivos ou pacotes pelos quais pagamos e não os utilizamos – é hora de investigar e pesar se você realmente utiliza aquele combo “televisão, internet e telefone” ou usa apenas a internet. Chegou a hora de enxugar e procurar serviços e produtos que atendam suas necessidades.

Fuja de ofertas e promoções

As coisas das quais não precisa já saíram. E agora? Você vai substitui-las assim que ver atropelar uma liquidação? Em vez de caçar ofertas pelo shopping sem planejamento, anote exatamente tudo que é necessário e compre apenas o que estiver listado. Uma pessoa organizada não pode ceder a propaganda. Produtos com descontos são apenas mais bugigangas.

Experimento: vá ao shopping sem dinheiro. Olhe para as vitrines e para as promoções, sonde o que gostaria de comprar se tivesse levado a carteira ou a bolsa. Se não achou nada, ótimo! Se fez uma lista, guarde-a e espere um mês. Analise a lista quando se passar o mês e, se ainda quiser algo, talvez valha a compra.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Essa é a mais óbvia de todas: as compras por impulso são as vilãs da sua saúde financeira. Às vezes, achamos que esse impulso é para conforto – e mais gratificante que a conta no azul, é a reeducação e não sentir a necessidade. E tantas outras vezes é como diz o filme Clube da Luta, de David Fincher: “compramos coisas das quais não precisamos, com dinheiro que não temos, para impressionar pessoas das quais não gostamos”.

Trabalhe duro

Esforce-se um pouco. Aliás, esforce-se muito – sempre que for necessário. Nem tudo são flores para manter-se organizado. Requer muito trabalho duro e dedicação, associados ao reconhecimento de que você pode desfrutar de uma vida mais tranquila depois.

Um teste prático: se a pia estiver cheia, lave dois pratos quando precisar de um. Tente criar um saldo de organização para cada baguncinha que for feita. Dobre e guarde duas camisas quando retirar uma do armário. Vale adaptar a regra para qualquer situação.

Como minha organização pessoal interfere nas finanças? Pense no trabalho como algo além do mecânico, além da rotina. Pense no trabalho como ambição de sempre buscar mais, como um incentivo para planejar, para saber dar o próximo passo. Eventualmente o esforço será recompensado, e os frutos desse esforço refletirão na carteira.